• Tempo e Clima Brasil

A África Oriental luta contra os enxames de gafanhotos

Com o Quênia passando por sua pior praga de gafanhotos em 70 anos, uma empresa está capacitando as comunidades locais a encontrar soluções sustentáveis.

Gafanhotos
A pior praga de locusta do quênia em 70 anos está sendo transformada em oportunidade pelos agricultores

Enxames de gafanhotos migraram para o Quênia no final de 2019, depois que uma onda de padrões climáticos incomuns foi exacerbada pela mudança climática. A infestação logo se espalhou para o leste, afetando também o Iêmen, a Somália e a Etiópia.


Os gafanhotos ameaçam a segurança alimentar de milhões de pessoas, pois devoram as plantações e deixam sérios danos à agricultura em seu rastro.

A empresa africana de agricultura regenerativa The Bug Picture está ajudando comunidades no Quênia a inverter o problema. Especializada em proteínas à base de insetos que são ambientalmente sustentáveis para a agricultura, ela descobriu uma maneira de transformar gafanhotos do deserto em ração animal e fertilizante.

As comunidades afetadas são incentivadas a colher gafanhotos vivos e receber o pagamento imediato por meio de uma plataforma móvel.

Como estão relacionados os locusts e as mudanças climáticas?


Gafanhotos são insetos invertebrados do tamanho de um clipe de papel. As pragas dos invertebrados devastaram as sociedades desde que os faraós lideraram o antigo Egito, e ainda hoje causam estragos. Mas os gafanhotos do deserto são particularmente ameaçadores e afetam a subsistência econômica de um décimo da população do planeta.

Eles são descritos como gregários e se reproduzem rapidamente. Além disso, eles podem cobrir grandes distâncias - algumas espécies podem viajar 130 quilômetros ou mais por dia, de acordo com a National Geographic. Um enxame do tamanho de Paris pode comer a mesma quantidade de comida em um dia que metade da população da França.


As pragas de gafanhotos e as mudanças climáticas estão intrinsecamente ligadas devido às condições em que se desenvolvem. Durante os períodos de seca, os animais são forçados a se unirem em áreas irregulares de terra onde fica a vegetação remanescente. Isso significa que eles se tornam mais sociáveis e se reproduzem mais rapidamente.

Alguns especialistas temem que essas pragas piorem ainda em um mundo em aquecimento. Estima-se que o aparecimento de gafanhotos foi causado pelo aumento da temperatura do mar e pelas recentes chuvas fortes e pela atividade incomum de tempestades na região da África Oriental.


Esses impactos estão ligados ao ‘Dipolo do Oceano Índico’, um sistema climático no Oceano Índico que afeta o clima da África Oriental à Austrália Ocidental. A prevenção de pragas em países africanos é particularmente difícil, devido ao afastamento da paisagem. Mas os cientistas estão olhando para os padrões climáticos anteriores e registros históricos para identificar áreas onde os enxames podem ocorrer e, em seguida, pulverizar essas áreas com produtos químicos.