• Tempo e Clima Brasil

A Europa sofreu os verões mais secos em 2.100 anos desde 2015

Desde os tempos romanos, os verões europeus têm ficado mais quentes e secos, mas a tendência nos últimos seis anos se intensificou, de acordo com a maior e mais detalhada reconstrução das condições hidroclimáticas de verão na Europa central nos últimos dois milênios.

mudanças climáticas
A crise climática e as mudanças nas correntes de jato são as causas mais prováveis ​​desse fenômeno.

As últimas secas de verão na Europa foram muito mais severas desde 2015 do que as dos últimos 2.100 anos no velho continente, de acordo com a maior reconstrução das condições hidroclimáticas agora publicada na revista Nature Geoscience. O trabalho, liderado pela Universidade de Cambridge (Reino Unido), sugere que esse fenômeno se deve a mudanças climáticas antropogênicas e variações nos jatos.

Estamos cientes do aglomerado de verões excepcionalmente quentes e secos nos últimos anos, mas precisamos reconstruções precisas para ver como esses fenômenos se comparam aos anos anteriores. Ulf Büntgen, autor principal do estudo.

Os resultados, aponta Büntgen, mostram que os verões nos últimos anos têm sido "inéditos" em termos de quão secos têm sido consecutivamente. “Em geral, nosso conhecimento das secas anteriores fica pior à medida que voltamos no tempo”, diz o pesquisador. Nesse caso, os dados anteriores à Idade Média são “vitais” porque nos permitem conhecer as variações das secas dessa época e seu impacto no funcionamento e na produtividade dos ecossistemas e das sociedades.

Os "rastros" químicos dos carvalhos

Para analisar os registros históricos, a equipe estudou 27.000 "rastros" químicos de 147 carvalhos europeus da República Tcheca, Suíça e Alemanha. As amostras provêm de árvores vivas e mortas, vestígios arqueológicos, materiais subfósseis (vestígios mais recentes) e construções históricas feitas com este tipo de madeira. Esses rastros são encontradas nos isótopos estáveis ​​de carbono e oxigênio, presentes nos anéis internos dessas árvores e que fornecem dados sobre as mudanças hidroclimáticas durante longos períodos de tempo.

anéis de árvores
Exemplo de seção transversal polida de um carvalho da República Tcheca.

Assim, os isótopos dos anéis de carvalho "fornecem dados mais precisos para reconstruir as condições hidroclimáticas dessas áreas", defende o co-autor do estudo, Jan Esper, da Universidade de Mainz (Alemanha). A pesquisa conseguiu construir o maior e mais detalhado conjunto de dados sobre as condições hidroclimáticas de verão na Europa Central, desde a época romana até os dias atuais.

Veja também: "Os verões deverão ficar cada vez mais longos até 2100"

Os valores desses isótopos refletem as condições físicas e as respostas das árvores às condições climáticas ao invés do crescimento líquido do caule, que é obtido com medições padrão dos anéis das árvores. Desta forma, os valores de carbono dependem da atividade fotossintética, enquanto os valores de oxigênio são afetados pela fonte de água.

fósseis
A inserção ampliada mostra a estrutura anatômica de grandes vasos de madeira primitiva e fibras homogêneas de madeira tardia.

Os resultados de ambos os isótopos "estão intimamente relacionados", detalha Paolo Cherubini, co-autor do trabalho e professor do Instituto Federal de Neve e Pesquisa da Paisagem (WSL) em Birmensdorf (Suíça).

Dois milênios de dados

Os dados dendrocronológicos do estudo mostram que houve verões muito úmidos nos anos 200, 720 e 1100 da era atual, e tempos muito secos em 40, 590, 950 e 1510 DC. Além desses anos "incomuns", pesquisas indicam que a Europa é um continente cada vez mais seco. Mas as amostras do período 2015-2018, entretanto, mostram que as condições de seca desses verões superam tudo o que aconteceu nos 2.110 anos anteriores.

“Vimos um aumento acentuado [na seca] após séculos de crescimento lento e significativo, o que é especialmente alarmante para a agricultura e silvicultura”, disse Mirek Trnka, coautor e membro do Centro de Pesquisa CzechGlobe em Brno, República Tcheca). "O recuo florestal sem precedentes em grande parte da Europa Central corrobora nossos resultados", continua ele.

Os pesquisadores sugerem que esse período anormal de secas de verão se deve ao aquecimento global antropogênico e às mudanças associadas nas correntes de jato. “As mudanças climáticas não significam que tudo vai ficar cada vez mais seco: alguns lugares podem ficar mais frios ou úmidos, mas as condições climáticas extremas serão cada vez mais frequentes”, conclui Büntgen.