• Raquel Pereira

A La Niña se intensificou, e as chances para um El Niño em 2022 aumentaram

A La Niña está ficando mais fria do que o esperado no Pacífico equatorial, o que torna sua influência nesta temporada mais clara. A última previsão indica que a La Niña continuará no início do outono de 2022, com um aumento da chance de um El Niño no próximo verão 2022/2023, formando um cenário completamente diferente.


Anomalia de TSM (temperatura da superfície do mar) do dia 24 de Outubro de 2021. Fonte: NOAA Coral Reef Watch.

A La Niña é parte de um grande sistema que conecta o oceano e a atmosfera chamado ENOS. ENOS é a abreviação de “El Niño-Oscilação Sul” e se refere às situações nas quais o oceano Pacífico Equatorial está: seja na fase quente (El Niño) ou na fria (La Niña). Ele tem um grande impacto nos padrões de convecção tropical e na complexa interação do sistema oceano-atmosfera.



A imagem abaixo mostra as regiões ENOS no Pacífico tropical. As principais regiões são 3 e 4 e, juntas, cobrem uma grande parte do Pacífico tropical. A maioria das análises e previsões são baseadas em uma combinação das regiões 3 e 4, vistas na imagem como a região Niño 3.4. A região 3 cobre o Pacífico tropical oriental, enquanto a região 4 cobre as partes central e ocidental.



Regiões ENOS no Pacífico tropical. Fonte: Severe Weather.

É determinado a fase ENOS pelas anomalias da temperatura da superfície do mar (mais quente / mais fria) na região ENOS 3.4 no Pacífico tropical. A imagem abaixo mostra a circulação típica durante uma fase ENOS fria, a qual estamos atualmente. O ar desce no Pacífico oriental, causando um tempo estável e seco, enquanto o ar sobe no Pacífico ocidental, causando tempestades frequentes e muita chuva.


Feedback atmosfera-oceano durante o ENOS. Fonte: NOAA Climate

Cada fase do ENOS tem um efeito diferente no clima nos trópicos e na circulação geral, impactando, assim, o clima em todo o mundo de forma diferente. O ENOS tem grande impacto sobre os padrões de pressão e chuvas tropicais e impacta o sistema de feedback oceano-atmosfera.


La Niña - Condições atuais


A análise atual da anomalia global do oceano revela um resfriamento no Pacífico tropical (região ENOS 3.4). A forma “ondulatória” das anomalias de frio indica fortes ventos alísios, empurrando as águas superficiais de leste para oeste. O resfriamento atual tem sido bastante substancial e persistente nas últimas semanas.



Na imagem abaixo nota-se o desenvolvimento de “formas de onda” frias, já que os padrões de pressão estão criando fortes ventos alísios, forçando o resfriamento do oceano impulsionado pelo vento.


Anomalia da TSM (temperatura da superfície do mar) para o dia 22 de Outubro de 2021. Fonte: Severe Weather.

De acordo com a NOAA: “As condições de La Niña se desenvolveram e devem continuar com 87% de chance de La Niña de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022.


Há um mês, a La Niña não era tão forte, pois estava apenas nos estágios iniciais. As ondas de frio também não eram tão definidas, já que os ventos de leste não eram tão fortes e aumentaram nos próximos dias/semanas.


El Niño em 2022?


Para entender completamente o ENOS, também temos que olhar para sua fase quente, chamada de El Niño. As previsões apontam para o surgimento de um possível El Niño em 2022. Na imagem abaixo, temos uma comparação direta entre o El Niño e o La Niña no que diz respeito às anomalias da temperatura do oceano.


A figura de cima indica que as anamolias quentes dos 10 eventos mais fortes de El Niño foram mais fortes e mais a leste. Já a figura de baixo indica que as anomalias frias durante os 10 eventos mais fortes de La Niña foram mais fracos e mais a oeste. Fonte: NOAA Climate

A imagem abaixo apresenta a previsão probabilística do ENOS feita pelo CPC/IRI. Nota-se a La Niña (em azul) atual se mantendo durante o verão até o início do outono 2022. Entrando, a partir do inverno de 2022, há uma chance crescente de entrar em uma fase quente (El Niño; em vermelho), porém o mais provável, por enquanto, é que seja uma fase neutra.


Previsão probabilística ENOS feita pelo CPC / IRI.

Há uma pequena possibilidade de formação de El Niño para o final de 2022. Caso esse cenário se confirme, poderemos ter um cenário invertido no verão do ano que vem.



Créditos: Severe Weather.