• Raquel Pereira

Animais não humanos podem levar outros animais à extinção?

Existem vários exemplos de como os humanos podem eliminar espécies. Mas somos apenas nós, ou animais não humanos podem levar outros animais à extinção?


extinção
Esqueleto de um mamute em um museu. Os mamutes foram extintos há aproximadamente 10 mil anos atrás.

Imagine olhar para um céu tão cheio de pássaros que bloqueiam a luz do sol. Os pombos-passageiros (Ectopistes migratorius) costumavam voar em bandos de centenas de milhões, talvez até bilhões, de pássaros que levavam horas para passar por cima. Então, os humanos começaram a atirar neles.



Os humanos começaram a caçar pombos-passageiros comercialmente no século 19 e, em 1914, eles foram extintos. Essas aves são um excelente exemplo de quão rápida e eficientemente os humanos podem eliminar até mesmo as espécies mais comuns.


Mas somos apenas nós, ou animais não humanos podem levar outros animais à extinção?

Mais ou menos, mas os humanos geralmente estão envolvidos. Alguns animais são capazes de dizimação interespécies se os humanos os colocarem no lugar errado e se tornarem invasores, espécies que causam danos ecológicos ou econômicos ao seu ambiente não nativo.


Um gato doméstico observando um pequeno pássaro. (Crédito da imagem: Zmijak via Getty Images).

O exemplo de espécie invasora é o gato doméstico. Eles contribuíram para a extinção de dezenas de espécies de aves na Nova Zelândia, que foi extinta em 1895. Os gatos são a principal causa humana direta de mortalidade de aves nos EUA e Canadá. Em outras palavras, os pássaros americanos estão sob maior ameaça de gatos de estimação do que de armas.



Mas e quando os animais migram naturalmente para uma nova área? Os animais tendem a se dispersar naturalmente para áreas próximas, onde os tipos de espécies são geralmente semelhantes e, portanto, respondem adequadamente uns aos outros e geralmente não há confrontos injustos.


Ocasionalmente, o movimento de terra força um abalo interespécies. O Grande Intercâmbio Biótico Americano (cerca de 10 milhões a 10.000 anos atrás) é um exemplo proeminente disso; placas tectônicas uniram a América do Norte e a América do Sul, e espécies de cada continente se encontraram por meio de uma ponte terrestre na América Central.



A América do Sul foi apresentada a muitos novos animais, incluindo predadores como ursos e grandes felinos, enquanto a América do Norte recebeu espécies como preguiças terrestres e parentes de tatus chamados gliptodontes em troca.


Embora o impacto das espécies invasoras modernas nas extinções seja claro, o intercâmbio é mais complicado. Não foi apenas um instante na história da Terra, mas na verdade levou vários milhões de anos e teve diferentes fases. As extinções na América do Sul ocorreram durante um período de mudança climática quando a Terra estava esfriando, o que provavelmente também teve um impacto.


Mas ainda é justo supor que pelo menos algumas espécies de presas na América do Sul foram extintas por causa da chegada de um predador norte-americano? É possível, mas é difícil separar essa causa da mudança climática e de outros fatores.


Até agora, não se conhece nenhum exemplo de invasão natural em que uma espécie tenha consumido outra até a extinção. O mundo natural é inerentemente incrivelmente complicado, e é preciso uma enorme quantidade de trabalho para desvendar os processos que geralmente estão acontecendo.



Porém, os seres humanos estão claramente levando as espécies à extinção por meio de atividades como caça excessiva, destruição de habitat e introdução de espécies invasoras.