• Gabriela Bittencourt

As principais erupções solares que afetaram a Terra

O ciclo solar se refere a uma série de atividades que ocorrem no Sol definidos em intervalos de aproximadamente onze anos. Cada ciclo é determinado através das manchas escuras que aparecem na superfície solar. Durante esse ciclo, a estrela passa por um período de máximo e mínimo da sua atividade, podendo causar estragos dependendo da sua localização.


Atividade solar
Ilustração da atividade solar interagindo com o campo magnético da Terra.

Quando a atividade solar está no seu máximo, com erupções solares e ejeções de massa coronal (CMEs), grandes quantidades de radiação e partículas solares irrompem da superfície do Sol podendo causar danos se nosso planeta estiver no caminho dessa explosão. As manchas solares são causadas pela atividade magnética do Sol e tendem a se agrupar entre latitudes médias acima e abaixo do equador.


As erupções são explosões com enormes quantidades de plasma superaquecido, ou gases eletrificados, que viajam para o sistema solar. Muitas vezes, as erupções acontecem no início de uma erupção.

O acompanhamento da atividade solar começou em 1849 no Observatório de Zurique e, atualmente, centros de observação na Bélgica e nos Estados Unidos da América fazem observações solares diárias.


---- Continua após a publicidade ----


----

Além disso, a NOAA, com o objetivo de mitigar futuros problemas que venham a acontecer e que possam causar problemas a Terra, estuda o Sol para que se entenda melhor a atividade solar, e com isso listou algumas das principais atividades solares que causaram efeitos diretos na Terra.


Explosão super solar: 01 Setembro 1859


Os astrônomos Richard Carrington e Richard Hodgson no dia 1º de setembro de 1859 observaram independentemente manchas de luz intensamente brilhantes na superfície solar pouco antes de a Terra ser atingida por uma tempestade solar muito forte.



No dia seguinte (2 setembro), coisas estranhas começaram a acontecer. As luzes do norte foram vistas mais ao sul do que já foi registrado, auroras deslumbrantes pulsavam mesmo em latitudes tropicais próximas a Cuba, Bahamas, Jamaica, El Salvador e Havaí.


"O que Carrington viu foi uma explosão solar de luz branca - uma explosão magnética no sol", explica David Hathaway, líder da equipe de física solar no Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama

No geral, este evento causou interrupções globais generalizadas e foi determinado como a mais forte erupção a ser observada em 500 anos. Ele veio a ser conhecido como o Evento Carrington.


Tempestade solar 1967


Uma poderosa tempestade solar quase fez com que os EUA entrassem em guerra com a União Soviética quando um clarão bloqueou vários sistemas de comunicações de rádio e radar dos EUA e do Reino Unido em regiões polares no auge da Guerra Fria.



Pensando que eram os soviéticos, a Força Aérea dos EUA começou a preparar aeronaves para lutar, mas felizmente, meteorologistas espaciais militares intervieram a tempo, revelando que era devido à atividade solar. Os aviões não foram implantados e evitamos uma potencial troca de armas nucleares.


Tempestade solar 1967
Visão do Sol em 23 de maio de 1967. A região brilhante na região central superior de brilho mostra a área onde ocorreu a grande erupção. Crédito: Observatório Solar Nacional

“Se não fosse pelo fato de termos investido muito cedo em observações e previsões de tempestades solares e geomagnéticas, o impacto [da tempestade] provavelmente teria sido muito maior”, disse Delores Knipp, física espacial da Universidade do Colorado em Boulder.

A tempestade solar que ocorreu em 1967 foi um exemplo clássico de como a geociência e a pesquisa espacial são essenciais para a segurança nacional dos EUA.


O dia em que o sol trouxe escuridão, Março 1989


No dia 12 de março de 1989 astrônomos testemunharam uma poderosa erupção no Sol, que causou interferência nas rádio de ondas curtas e congestionou os sinais da Radio Free Europe, uma organização financiada pelo governo dos EUA que transmite notícias e informações sem censura para o público em países onde é proibido pelo governo.


Na manhã de 13 de março, correntes elétricas no solo afetaram uma parte da rede elétrica em Quebec, Canadá, e fizeram com que toda a rede elétrica da cidade caísse. O apagão resultante durou 12 horas, afetando milhões de pessoas. Outras cidades nos EUA também foram afetadas pela tempestade solar, onde mais de 200 problemas na rede elétrica surgiram em poucos minutos por todo o país.



A tempestade também afetou vários satélites no espaço e causou leituras defeituosas nos sensores do ônibus espacial Discovery, que desapareceu assim que a tempestade solar diminuiu.


Satélite da NASA registra a mais rápida explosão solar em julho de 2012


Uma grande ejeção de massa coronal irrompeu do lado direito do sol no dia 23 de julho de 2012, aproximando-se do espaço atingindo o satélite Solar TERrestrial RElations Observatory (STEREO-A) da NASA que orbita o Sol. Usando os dados STEREO, os cientistas do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, registraram que essa nuvem gigante de massa coronal viajou entre 1.800 e 2.200 milhas por segundo quando deixou o sol.


O satélite STEREO foi construído para resistir a esses eventos e, com base nos dados coletados, os cientistas perceberam que, se a erupção tivesse ocorrido apenas uma semana antes, a Terra estaria na linha de fogo.


"Se tivesse atingido, ainda estaríamos juntando os pedaços", disse Daniel Baker, da Universidade do Colorado, em um comunicado da NASA em 2014.

Esta declaração também especulou que, se uma tempestade semelhante atingir a Terra hoje, poderia ter um efeito catastrófico, com um impacto econômico total superior a US$ 2 trilhões ou 20 vezes maior que os custos do furacão Katrina.




Transformadores de várias toneladas danificados por tal tempestade podem levar anos para serem reparados. Ao contrário do Evento Carrington, agora dependemos muito mais da tecnologia do que na década de 1850.


O Ciclo Solar 25 será forte ou fraco?


Atualmente, iniciou-se um novo ciclo solar, o Ciclo Solar 25, que começou em 2020. Desde então, a atividade no Sol aumentou rapidamente.


Novo ciclo solar
Imagem da superfície solar no dia 22 de fevereiro de 2022. Crédito: David Hoskin.

Em 15 de fevereiro de 2022, o instrumento Solar Ultraviolet Imager (SUVI) a bordo do satélite GOES East da NOAA observou uma grande e poderosa erupção do Sol. Felizmente, a erupção em si ocorreu do outro lado do Sol e não foi direcionada para a Terra, então é improvável que vejamos quaisquer efeitos relacionados ao clima espacial.