• Raquel Pereira

Ciclone extratropical e cavado trarão temporais

Um ciclone extratropical deve surgir entre quarta (23) e quinta-feira (24) provocando tempo severo na região do Rio da Prata. No Sul do Brasil, países vizinhos e em parte do Mato Grosso do Sul, temporais devem ocorrer devido a uma frente fria (associada ao ciclone) que estará acoplada a uma área de baixa pressão no noroeste da Argentina.


ciclone
Previsão do modelo GFS válido para 1200 UTC de 24/03/2022 para precipitação, pressão ao nível médio do mar, espessura da camada e vento em 850hPa. O ciclone extratropical, mais ao sul próximo ao Rio da Prata, é visto com suas frentes associadas se deslocando em direção ao oceano, enquanto o cavado associado a Baixa do Noroeste da Argentina é alimentado pelos Jatos de Baixos Níveis e gera temporais sobre o Sul do Brasil e países vizinhos.

Nas próximas horas, um processo de ciclogênese deve ocorrer na porção nordeste da Argentina. A frente fria associada ao sistema deve avançar em direção a costa sul brasileira ainda na quinta-feira (24). Apesar de não atuar diretamente na produção de chuvas no Sul do Brasil (visto que irá se deslocar para o oceano Atlântico Sul), a frente fria estará acoplada a outro sistema: a Baixa do Noroeste da Argentina.


Este sistema deverá alongar um cavado nas próximas 48h/72h sobre os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e ainda sobre alguns países vizinhos, como Paraguai, extremo nordeste da Argentina (próximo a tríplice fronteira) e extremo noroeste do Uruguai.



Os ciclones extratropicais se formam na presença de gradientes horizontais de temperatura (um tipo de instabilidade conhecida como baroclinia). A frente fria deve avançar durante o desenvolvimento do ciclone. Na figura a seguir, observa-se as linhas de espessura da camada (tracejado vermelho) próximas ao centro do ciclone, que indicam a presença de gradientes horizontais de temperatura.


chuva
Previsão do modelo GFS válido para 1200 UTC de 24/03/2022. Tem-se a precipitação em colorido, a pressão ao nível médio do mar em linhas contínuas pretas e a espessura da camada são as linhas tracejadas vermelhas. A seta vermelha está apontando para a posição do ciclone. Fonte: Tropical Tidbits

Além do cavado estendido da Baixa do Noroeste da Argentina e o acoplamento com a frente fria, outros dois fatores serão fundamentais para a evolução de tempestades no Sul do Brasil: Os Jatos de Baixos Níveis (JBN) e o Jato Subtropical (JS).


Os Jatos de Baixos Níveis transportam umidade da Amazônia para o setor sudeste da América do Sul, fortalecendo ainda mais a convecção e a liberação de calor latente. Por outro lado, o Jato Subtropical, que escoa na alta troposfera, ajudará na divergência de massa, fortalecendo os movimentos verticais.



Para a porção centro-nordeste da Argentina, uma massa de ar polar deve atuar derrubando as temperaturas na área. A massa de ar polar também deve se deslocar para a região Sul do Brasil, porém já com menor intensidade, provocando apenas uma leve diminuição das temperaturas até o fim da semana.


previsão de chuva e temporais
Previsão do modelo GFS do acumulado total de chuva (mm) para às próximas 72h. Válido entre 22/03 até 25/03.

A junção desses sistemas (Frente fria + Cavado da Baixa do Noroeste da Argentina + Jatos de Baixos Níveis + Jato Subtropical) poderá trazer temporais com chuvas intensas, precipitação de granizo, fortes ventos e trovoadas para os estados do sul do Brasil, Mato Grosso do Sul e países vizinhos. O Tempo e Clima Brasil alerta para a ocorrência de fortes chuvas nas próximas 48 horas para todo o Rio Grande do Sul e também o interior de Santa Catarina e o sul e o sudoeste do Paraná.