• Raquel Pereira

Cometa poderá ser visto a olho nu nos próximos dias

O Cometa Leonard (C/2021 A1) já é o maior e mais brilhante cometa de 2021. Durante os próximos dias poderemos observá-lo a olho nu aqui no Brasil.


O cometa C / 2021 A1 (Leonard) é visto próximo ao aglomerado de estrelas globulares M3 nesta imagem tirada com o telescópio Schulman no Mount Lemmon Sky Center do UArizona. Crédito: Adam Block / Steward Observatory / University of Arizona.

Agora é a melhor hora para dar uma olhada no cometa C / 2021 A1, mais conhecido como cometa Leonard. Recebeu o nome de seu descobridor, Gregory Leonard, um especialista em pesquisa sênior do Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona. No dia 3 de janeiro de 2021, Leonard avistou uma mancha difusa de rastreamento de luz através de um telescópio.


A aparência difusa do ponto, combinada com o fato de ter uma cauda, ​​era uma indicação clara de que ele estava olhando para um cometa, disse ele.

O objeto celestial provavelmente passou os últimos 35.000 anos viajando em direção ao sol, e assim que fizer uma passagem próxima de nossa estrela em 3 de janeiro, não veremos o cometa novamente. À medida que o cometa se aproxima do Sol, ele brilha, e é por isso que as semanas que antecederam esse evento tornam o cometa mais fácil de ver.



É também um cometa ultrarrápido, atravessando o sistema solar interno a 71 quilômetros por segundo, mas ainda aparecerá como um objeto de movimento lento devido à sua distância da Terra.



Cometas são corpos compostos de gelo, poeira e gases congelados, provenientes das regiões geladas nos confins do Sistema Solar. Por algum tipo de perturbação gravitacional, esses corpos são lançados para o interior do Sistema Solar. Quando se aproximam do Sol, seu gelo e seus gases sublimam, formando a coma, que é arrastada e ionizada pelos ventos solares, o que forma sua cauda e também faz com que o cometa brilhe.



Embora as expectativas serem boas, é necessário lembrar que cometas são objetos muito imprevisíveis. Quando eles se aproximam do Sol, tudo pode acontecer. Podem apresentar um surto de brilho, tornando-os ainda mais luminosos, mas também podem se fragmentar e desaparecer, frustrando as expectativas dos observadores aqui na Terra.


"Esta é a última vez que veremos o cometa", disse Leonard.

O cometa Leonard conhece bem o sistema solar interno. Cerca de 80.000 anos atrás, os neandertais podem ter olhado para o céu noturno e apontado a estranha estrela com sua cauda brilhante uma para a outra. Seu primeiro encontro com o sol jogou o cometa Leonard de volta às profundezas do espaço, apenas para dar meia-volta cerca de 40.000 anos depois e embarcar em outra viagem em direção ao sol. Porém nesta visita, o cometa Leonard está viajando sem passagem de volta.



Os melhores dias para acompanhar esse espetáculo serão 15, 16, 17, 18 e 19 de dezembro no início da noite, cerca de 40 minutos após o pôr do Sol, quando o céu começa a ficar escuro.


A observação está prevista para todo o Brasil, mas os moradores do Norte e Nordeste do país terão a oportunidade de vê-lo mais cedo, a partir do dia 14. O cometa provavelmente poderá ser visto a olho nu, mas a observação através de binóculos ou telescópios poderá oferecer uma experiência diferenciada.



Teoricamente, ele deve permanecer visível a olho nu até a última noite do ano. Mas na prática, não dá para fazer previsões muito precisas sobre o brilho de um cometa. Eles costumam nos surpreender. Às vezes para bem, às vezes para mal.