• Gabriela Bittencourt

Fumaça do incêndio na província de Corrientes chega ao Sul do Brasil

Atualizado: 22 de fev.

Mais de 800 mil hectares de plantações de pinos já queimaram devido à complicações geradas pela seca prolongada na província de Corrientes. O governo da província decretou zona de catástrofe ecológica e ambiental na região na sexta-feira (18).


Vista incêndio em São Borja
Incêndio em Santo Tomé, visto de um prédio na cidade fronteira gaúcha de São Borja.

Uma das causas da seca extrema que atinge o sul do Brasil é devido ao fenômeno Lã Nina, que resulta num aumento das temperaturas e há uma maior probabilidade de secas nessas regiões.



Regiões como Sul do Brasil, Argentina, Uruguai foram castigadas por esses fenômenos durante o verão, onde houve recordes de temperaturas durante o mês de janeiro. Além disso, a presença da ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul) sobre o centro-norte do país não favorece episódios de chuvas regulares na região Sul.



A província de Corrientes vem registrando incêndios de grande magnitude devastando milhares de hectares, causando danos ambientais e de qualidade do ar graves, além de prejuízos de milhões de dólares para produtores da região. Os focos de incêndio vem sendo registrados desde Janeiro, mas ganharam força nos últimos dias, atingindo regiões povoadas, o que preocupou ainda mais os especialistas.



“É um impacto severo, oriundo do desmatamento, da desertificação e do mau uso da terra, que se soma agora ao novo padrão de chuvas causado pelas mudanças climáticas”, avaliou o ambientalista local Luis Martínez.

A cidade de Santo Tomé, que faz fronteira com a cidade gaúcha de São Borja, no último dia 18, pediu ajuda às autoridades vizinhas para combater o fogo que já podia ser avistado da cidade vizinha. Os bombeiros da região das Missões se juntaram às equipes argentinas para ajudar a cidade a combater o incêndio que devastou a região rural do município de Santo Tomé, que já registrou uma perda de 6% do território durante os últimos 50 dias de incêndio.


Fumaça na cidade de São Borja
Foco de incêndio atingiu área de campo em São Borja, à margem da rodovia. Fonte: Decom/Prefeitura de São Borja

Corpo de Bombeiros de São Borja, que auxilia no combate ao fogo, disse que a chuva que caiu na região no domingo (20) ajudou a amenizar a situação, porém os focos de incêndio ainda são muitos.



"A província enfrenta estresse hídrico que, somado às altas temperaturas e baixa umidade do ambiente, dificultam muito o combate ao incêndio", afirmou Alberto Seufferheld, diretor do órgão.


No início do mês de fevereiro o governador da província de Corrientes, Gustavo Valdés, decretou estado de emergência agropecuária devido ao grande número de focos de incêndio na região.