• Raquel Pereira

NASA lança missões solares para proteger astronautas, satélites e GPS

A NASA selecionou duas missões científicas, o Multi-slit Solar Explorer (MUSE) e o HelioSwarm, para melhorar a compreensão da dinâmica do Sol, da conexão Sol-Terra e do ambiente espacial em constante mudança.


Erupção Solar
Uma erupção solar de nível médio que atingiu o pico às 20h13 EDT em 1º de outubro de 2015, capturada pelo Solar Dynamics Observatory da NASA. Crédito: NASA/SDO.

Essas missões fornecerão uma compreensão mais profunda sobre o universo e oferecerão informações críticas para ajudar a proteger astronautas, satélites e sinais de comunicação, como GPS.


"Essas missões não apenas estendem a ciência de nossas outras missões heliofísicas, elas também fornecem uma perspectiva única e uma nova abordagem para entender os mistérios de nossa estrela”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado para ciência na sede da NASA em Washington.

A missão MUSE ajudará os cientistas a entender as forças que impulsionam o aquecimento da coroa do Sol e as erupções naquela região ultraperiférica que estão na base do clima espacial.



A missão oferecerá uma visão mais profunda da física da atmosfera solar usando um poderoso instrumento conhecido como espectrômetro de múltiplas fendas para observar a radiação ultravioleta extrema do Sol e obter as imagens de maior resolução já capturadas da região de transição solar e da coroa. A missão também fornecerá observações complementares de pesquisas em heliofísica.



Atmosfera solar
Imagem da atmosfera solar mostrando uma ejeção de massa coronal. Crédito: NASA/SDO.

O objetivo principal da missão MUSE é investigar as causas do aquecimento e instabilidade coronal, como explosões e ejeções de massa coronal, e obter informações sobre as propriedades básicas do plasma da coroa. O MUSE obterá imagens de alta resolução da evolução das fitas de erupção solar em um campo de visão focado em uma grande região ativa no Sol.


O investigador principal da missão MUSE é Bart DePontieu, do Centro de Tecnologia Avançada Lockheed Martin (LMATC) de Palo Alto, Califórnia. Esta missão tem um orçamento de US$ 192 milhões. A LMATC fornecerá gerenciamento de projetos.

A missão HelioSwarm é uma constelação de nove naves espaciais que irão capturar as primeiras medições multiescala no espaço de flutuações no campo magnético e movimentos do vento solar conhecido como turbulência.



A camada atmosférica mais externa do Sol, a heliosfera, abrange uma enorme região do sistema solar. Os ventos solares se espalham pela heliosfera, e suas interações com magnetosferas planetárias e rupturas, como ejeções de massa coronal, afetam sua turbulência.


Vento solar
A impressão do artista (sem escala) ilustra como o vento solar molda as magnetosferas de Vênus (em cima), Terra (no meio) e Marte (em baixo). Crédito: ESA.

Estudar a turbulência do vento solar em grandes áreas requer medições de plasma feitas simultaneamente de diferentes pontos no espaço. O HelioSwarm consiste em uma espaçonave e oito pequenos satélites co-orbitantes que variam em distância um do outro e da espaçonave.



A espaçonave manterá contato de rádio com cada pequeno satélite. Todo o contato de rádio entre o enxame e a Terra será realizado através da espaçonave e da NASA Deep Space Network de antenas de comunicação da espaçonave.


“A inovação técnica dos pequenos satélites do HelioSwarm operando juntos como uma constelação oferece a capacidade única de investigar a turbulência e sua evolução no vento solar”, disse Peg Luce, vice-diretor da Divisão de Heliofísica.

O principal investigador da missão HelioSwarm é Harlan Spence, da Universidade de New Hampshire. O orçamento da missão é de US$ 250 milhões. O Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício, Califórnia, fornecerá o gerenciamento de projetos.