• Raquel Pereira

La Niña persiste e modelos climáticos apontam o fenômeno até 2023

O fenômeno La Niña continua ativo no Pacífico tropical, com o oceano e a atmosfera refletindo claramente suas condições. As novas previsões estão indicando persistência do fenômeno até o trimestre de Novembro, Dezembro e Janeiro (2022/2023).


La nina
Anomalia de TSM (temperatura da superfície do mar) do dia 17 de abril de 2022. Fonte: NOAA Coral Reef Watch.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, a atual previsão dos modelos climáticos apontam para a continuação da La Niña durante o inverno (junho-julho-agosto) apontando 59% de chance. Já para a primavera, uma chance um pouco menor (50-55%). Pelo terceiro ano consecutivo, o oceano Pacífico vivencia um evento de La Niña.


Em março, a temperatura da superfície do mar na principal região de monitoramento do ENOS (Niño-3,4) ainda estava bem dentro da faixa La Niña, cerca de 1,0 ° C mais fria do que a média de longo prazo (1991-2020). Março de 2022 foi a 6ª anomalia de temperatura da superfície do mar mais negativa em março em Niño-3,4 desde 1950.



Embora a temperatura da superfície do oceano indique que a La Niña ainda está forte, não é incomum para esta época do ano e não necessariamente diz muito sobre quanto tempo essa La Niña pode durar. É necessário também observar a atmosfera, pois o ENOS é um sistema acoplado oceano-atmosfera.


ENOS
Previsão de probabilidade oficial do CPC/IRI ENSO, com base em um consenso dos analistas do CPC e do IRI. Fonte: IRI.

Mudanças na temperatura tropical do Oceano Pacífico influenciam a circulação da atmosfera (circulação de Walker). Essas mudanças atmosféricas, por sua vez, afetam a temperatura do oceano, e assim por diante. Por exemplo, a La Niña apresenta águas superficiais mais frias que a média no Pacífico equatorial central e oriental e águas superficiais mais quentes que a média no extremo oeste do Pacífico.


Esse padrão frio versus quente leva a menos ar ascendente e tempestades sobre o Pacífico central e mais sobre a Indonésia, ampliando a circulação normal de Walker e levando ventos próximos da superfície mais fortes ao longo do equador, os chamados ventos alísios. Ventos alísios mais fortes esfriam ainda mais a superfície e mantêm a água ainda mais quente acumulada no extremo oeste do Pacífico, reforçando a La Niña. Os ventos alísios foram elevados até março e permanecem mais fortes que a média em meados de abril.



Em relação a superfície do Oceano Pacífico tropical, a quantidade de água mais fria do que a média sob a superfície aumentou em março. Esta água subterrânea mais fria fornece um suprimento de água mais fria para a superfície, contribuindo para a previsão dos meteorologistas de que a La Niña permanecerá no inverno.



la nina
Temperaturas da água nos 700 metros superiores do Oceano Pacífico tropical em comparação com a média de 1991-2020 no início do outono de 2022. Animação NOAA Climate.gov, baseada em dados do Centro de Previsão Climática da NOAA.

Existem duas fontes principais de informação para as previsões do ENOS: as condições atuais da atmosfera-oceano e as previsões de modelos de computador. As previsões do modelo atual são principalmente divididas entre permanecer em La Niña ou fazer a transição para neutro no inverno.


Há incertezas na previsão atual, o que se reflete nas probabilidades. As chances da La Niña permanecer nos próximos meses são bastante confiantes, reforçadas pela água subterrânea mais fria e pela forte circulação atual de Walker. A chance de uma La Niña no terceiro ano tem uma ligeira vantagem para a queda, sobre a chance de condições neutras. Enquanto, a chance para El Niño é improvável, com menos de 10% de chance.



Para o Brasil, a La Niña pode acarretar em mais chuvas na Amazônia e no Nordeste, enquanto que para o Sul, as temperaturas sobem e há uma maior ocorrência de secas.