• Gabriela Bittencourt

La Niña segue ativa até o fim do inverno, indicam as projeções

Atualizado: 21 de jul.

Atualizações sobre o comportamento do fenômeno La Niña mostram que pelo menos até o fim do mês de agosto ela deve seguir influenciando o clima oceano-atmosférico.

TSM La Niña
Região de análise da temperatura da superfície do mar no Oceano Pacífico tropical.

A fase negativa do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS), a La Niña, que é o resfriamento das águas do Pacífico tropical, vai seguir ativa nos próximos meses. As últimas atualizações apontam para 53% de probabilidade do fenômeno se manter ativo até o trimestre de junho-julho-agosto (JJA).


---- Continua após a publicidade ----

----

As temperaturas da superfície do mar se intensificaram durante fevereiro de 2022 em todo o Pacífico tropical central e centro-leste, se estendendo do centro ao leste do Oceano Pacífico equatorial.


Previsão ENSO
Previsão probabilística oficial do IR/CPC para a condição do ENSO na região 3.4 do Pacífico. Condição inicial de Março/2022

As projeções mostram que durante o mês de fevereiro 2022 a temperatura média na região do Niño-3.4 foi de -0,6ºC no início do mês para -1,1ºC na semana passada, configurando a continuação da fase La Niña, conforme a figura acima. Mesmo com os valores semanais e mensais variando, o Oceanic Niño Index (ONI), a medida oficial do ENOS da NOAA, permaneceu constante em -1,0 ° C pela terceira temporada consecutiva.


Em fevereiro, junto com o arrefecimento das temperaturas da superfície do mar, foi identificada uma circulação mais forte do Pacific Walker: um fortalecimento dos ventos alísios ao longo da superfície do equador (soprando de leste para oeste), ventos mais fortes na atmosfera tropical superior (que sopra de oeste para leste), seca significativa ao longo da Linha de Data e aumento das anomalias pluviométricas no Continente Marítimo.


Feedbacks La Niña.
La Niña feedbacks entre o oceano e a atmosfera. Esquema Climate.gov de Emily Eng.

Essas mudanças nas condições iniciais é que fazem com que o fenômeno La Niña siga atuando na modulação do tempo e do clima.


O histórico da La Niña


Historicamente, apenas duas temporadas de La Niña sequenciais foram registradas desde o início das medidas desse fenômeno e ambas ocorreram após grandes eventos de El Niño, o que não precedeu o evento atual.

La Niña
Temperaturas da superfície do mar na região Niño-3,4 do Pacífico tropical para 8 eventos anteriores de La Niña duplo. A cor da linha indica o estado do ENSO para o terceiro inverno (vermelho: El Niño, azul mais escuro: La Niña, azul mais claro: neutro). A linha preta mostra o evento atual. O índice mensal Niño-3.4 é do CPC usando ERSSTv5. A comparação de séries temporais foi criada por Michelle L'Heureux e modificada por Climate.gov.

Para chegar ao terceiro inverno consecutivo de La Niña, precisaríamos ter ventos alísios de leste contínuos e aprimorados e, também, o reabastecimento da temperatura abaixo da média no Oceano Pacífico equatorial subsuperficial.



O que esperar desses próximos meses com a continuação da La Niña?


Anomalias na temperatura e precipitação podem ser observadas no hemisfério norte, de acordo com as previsões. Algumas análises mostram que durante o La Niña, um clima mais severo na primavera pode ficar mais ativo em partes do sul/sudeste dos Estados Unidos.


Para o hemisfério sul, as previsões indicavam que com o enfraquecimento da La Niña as condições para uma anomalia positiva de precipitação eram altas para boa parte da região Sul do Brasil, e estados como Minas Gerais, Mato Grosso. Porém, com a nova atualização essa condição de precipitações acima da média para o trimestre mudaram consideravelmente.


Previsão total de chuva acumulada.
Simulação modelo canadense CanSIPS mostrando o acumulado de precipitação para a América do Sul. A figura da esquerda é a rodada de 31 dez 2021 válida para o trimestre de Maio-Junho-Julho. A figura da direita é a última atualização com a rodada do dia 28 de fevereiro 2022, válida também para o trimestre MJJ 2022. Fonte: Tropical Tidbits.

O consenso dos meteorologistas indica um declínio mais lento da La Niña devido à recente atualização do acoplamento oceano-atmosfera, que contribuiu para previsões mais frias de curto prazo de vários modelos climáticos de última geração.

Em resumo, a La Niña é favorecida para continuar influenciando o verão (inverno) do Hemisfério Norte (Hemisfério Sul) com 53% de chance durante Junho - Agosto de 2022, e 40-50% de chance de La Niña ou ENSO-neutro após esse trimestre.