• Davi Moura

Modelos climáticos apontam fim da La Niña entre o Outono e o Inverno

Uma fase neutra deve se configurar no meio do ano de 2022 no oceano Pacífico tropical, mas o que esperar depois? Existe chance de um El Niño ou retorno da La Niña até o fim do ano?


O fenômeno La Niña (caracterizado pelo resfriamento das águas do Pacífico tropical) está se encaminhando para o fim. O lento enfraquecimento do fenômeno se iniciou após a terceira semana de Janeiro e deve continuar assim (certamente com oscilações) até o trimestre de Maio, Junho e Julho, quando finalmente deve acabar e uma fase neutra deve iniciar.


Após a possível configuração de uma fase neutra, as previsões divergem bastante do que deve ocorrer. Para o modelo europeu ECMWF, as previsões indicam um leve aquecimento das águas sobre o Pacífico leste, como é visto na imagem acima, a partir do inverno do hemisfério sul. Isso pode indicar um fortalecimento das chances de El Niño até o fim de 2022. Porém, analisando um conjunto de membros, o cenário é bem mais abrangente.



A imagem abaixo mostra a previsão de um conjunto de 51 membros do modelo ECMWF (SEAS5). Nota-se que, apesar da tendência de aumento das anomalias de temperatura da superfície do mar (TSM) na região 3.4 do Pacífico nos próximos meses, ainda sim, há uma baixa expectativa de um El Niño entre Junho, Julho e Agosto de 2022.

Fim da La niña
Previsão climática em pluma da anomalia da TSM na região 3.4 do Pacífico. A pluma é formada por conjunto de 51 membros do modelo ECMWF (SEAS5). Inicialização em Fevereiro de 2022.

Então, o que deve ocorrer após a formação da fase neutra? Para isso, é necessário analisar a possível cronologia dos eventos e um conjunto de previsões de modelos climáticos.


Cronologia Esperada


O fim da La Niña entre o fim do Outono até meados do Inverno do hemisfério sul é o cenário mais apontado pela previsão probabilística oficial do El Niño Oscilação Sul (ENSO) do International Research Institute for Climate and Society (CPC/IRI), como mostra a figura abaixo. Há uma chance de 56% de que ocorra a transição da La Niña para a fase neutra no trimestre de Maio, Junho e Julho.



A expectativa é que a condição de neutralidade permaneça ativa no oceano Pacífico tropical até a primavera de 2022 do hemisfério sul. Mas o que deve acontecer nas últimas semanas do ano de 2022 e no início de 2023?


El Niño Oscilação Sul
Previsão probabilística oficial do CPC/IRI para a condição do ENSO na região 3.4 do Pacífico (120-170W, 5S-5N). Condição inicial de Fevereiro de 2022.

De acordo com a previsão sazonal estendida do Laboratório de Ciências Físicas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), um evento de El Niño tem aproximadamente 40% de chance de emergir no trimestre de Novembro, Dezembro e Janeiro (2022/2023). É esperado que essa configuração permaneça ativa até o outono de 2023.



A chegada de um El Niño entre o fim de 2022 e o início de 2023 pode ser uma resposta ao enfraquecimento da fase negativa da Oscilação Decadal do Pacífico (ODP) nos últimos meses. Na imagem inicial deste artigo, referente a previsão do modelo europeu ECMWF para a anomalia de TSM, nota-se uma bolha de águas mais quentes no Pacífico Norte, próximo a costa norte americana, no trimestre de Junho, Julho e Agosto. Caso isso realmente ocorra, indicaria que a fase negativa da ODP poderá ter um rápido enfraquecimento nos próximos meses favorecendo um evento de El Niño em seguida.


temperatura da superfície do mar
Previsão sazonal estendida do ENSO gerada pelo Laboratório de Ciências Físicas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA).

Como conclusão, temos que: a La Niña está se encaminhando para seu fim que deve ocorrer nos próximos meses; uma fase neutra deve se configurar entre o fim do outono e o início do inverno; um evento de El Niño não deve ser descartado entre o fim de 2022 e o início de 2023.


É importante ressaltar que as previsões climáticas, mesmo aquelas em conjunto, podem mudar a partir de novas condições iniciais. Portanto, tendência não indica certeza, apenas indica um possível caminho que a atmosfera e oceano devem seguir a partir dos dados que estão disponíveis atualmente.