• Raquel Pereira

Novas tempestades de poeira ocorrem pelo Brasil: qual a causa?

Em cidades no Estado de São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Maranhão foi observado o fenômeno. Mas o que o causou? Houve prejuízos?


Tempestade de areia na cidade de Guararapes. Créditos: Adriano Veanholi

Uma grande tempestade de terra e poeira, com fortes rajadas de vento acima de 90km/h, atingiu as regiões do norte e noroeste do estado de São Paulo e interior de Minas Gerais no último domingo (26/09). O evento se repetiu na tarde de ontem (01/10) em vários pontos de novamente.

De acordo com Adriano Veanholi, morador local da cidade de Guararapes - SP, o fenômeno começou por volta das 14:30 da sexta-feira. Após a tempestade de área, na cidade de Guararapes não ocorreu chuva, somente na cidade vizinha Araçatuba, onde também houve prejuízos decorrentes do evento.

De acordo com Adriano, esse tipo de evento não é frequente na região e que houve danos como quedas de placas na rodovia e residências danificadas.

Além de SP e MG, os estados de GO, MT, MS e MA também registraram ocorrência de tempestade de poeira na tarde de ontem (01/10), seguido de rajadas de vento e precipitação com intensidade moderada até intensa (o que ajudou remover as partículas de poeira da atmosfera).


O município de Grajáu - MA, a cerca de 560 km de São Luís, nesta sexta-feira também registou uma tempestade de areia e não houve feridos ou danos associados. Já no município de Presidente Prudente – SP a tempestade ocasionou diversos prejuízos como destelhamentos, árvores caídas, vidros quebrados e registrou ventos de 103 km/h. Na cidade de Tupã – SP, o vento registou 80 km/h e um muro caiu sobre um homem de 40 anos e infelizmente veio a falecer.



Esses eventos ocorridos durante a sexta-feira (01/10) foram provocados por uma instabilidade na atmosfera. Essa instabilidade atmosférica chega e encontra temperatura e umidade relativa altas, produzindo a formação de nuvens carregadas. Após meses de nenhuma ou pouca chuva, a ventania dos temporais, ao entrar em contato com o solo seco, encontram poeira e também resíduos das queimadas, e levantam essa poeira.


Imagens de satélite das 14 horas local na sexta-feira indicam nuvens muito carregadas. Fonte: CPTEC/INPE

A presença de um cavado de onda curta e ômega significativo em 500 hPa em conjunto com a alta disponibilidade de umidade relativa do ar na atmosfera contribuíram para esses eventos como ventania e chuva intensa.