• Raquel Pereira

Novo planeta é descoberto em um lugar que não se imaginava

Alguns astrônomos acreditavam que planetas não poderiam existir em torno de estrelas tão massivas e quentes quanto b Centauri. No entanto, em torno deste sistema de estrelas duplas, que pode ser visto a olho nu, um planeta gigante foi encontrado orbitando 100 vezes a distância de Júpiter ao Sol.

A seta aponta para o planeta gigante b Centauri b descoberto orbitando a estrela dupla b Centauri (canto superior esquerdo). / ESO / Janson et al.

Com a ajuda de um 'localizador de exoplanetas' instalado no Very Large Telescope (Chile), uma equipe internacional de astrônomos observou diretamente um planeta orbitando b Centauri . É o sistema estelar mais quente e massivo que abriga planetas encontrados até agora, conforme relatado esta semana pelo artigo na revista Nature.


"Foi muito emocionante descobrir um planeta ao redor de b Centauri, pois muda completamente a imagem que temos de estrelas massivas como hospedeiros de planetas", explica Markus Janson, astrônomo da Universidade de Estocolmo (Suécia) e primeiro autor do artigo.

Localizado a aproximadamente 325 anos-luz de distância , na constelação de Centauri , o sistema de duas estrelas b Centauri (também conhecido como HIP 71865 e visível a olho nu) tem pelo menos seis vezes a massa do Sol, o que o torna, o sistema mais massivo em torno do qual a presença de um planeta foi confirmada.



Até agora, nenhum exoplaneta foi visto ao redor de uma estrela com mais de três vezes a massa do Sol. Na verdade, alguns membros da comunidade astronômica acreditavam que eles não poderiam existir em torno de estrelas tão massivas e quentes como b Centauri.


Ilustração do planeta descoberto (b Centauri b) orbitando o sistema binário b Centauri. / ESO / L. Calçada.

A maioria das estrelas massivas também são muito quentes , e este sistema não é exceção: sua estrela principal é uma chamada estrela do tipo B , que é três vezes mais quente que o Sol. Devido à sua temperatura intensa, emite grandes quantidades de radiação ultravioleta e raios-X.


Um ambiente hostil para a formação do planeta

A grande massa e calor desses tipos de estrelas têm um forte impacto sobre o gás circundante, que deve funcionar contra a formação dos planetas. Em particular, quanto mais quente uma estrela, mais radiação de alta energia ela produz, fazendo com que o material circundante evapore mais rápido.



O planeta de b Centauri é um mundo estranho em um ambiente completamente diferente do que já foi vivenciado na Terra e no sistema solar. É um ambiente hostil, dominado por radiação extrema, onde tudo está em escala gigantesca: as estrelas são maiores, o planeta é maior, as distâncias são maiores.


"As estrelas do tipo B são geralmente consideradas ambientes bastante destrutivos e perigosos, então acreditava-se que deveria ser extremamente difícil formar grandes planetas ao seu redor", disse Janson.

Mas a nova descoberta mostra que os planetas podem se formar nesses sistemas estelares hostis. O exoplaneta b Centauri b é 10 vezes mais massivo que Júpiter, o que o torna um dos mais massivos já encontrados e orbita a uma distância 100 vezes maior do que aquela que o separa do sol. Essa grande distância do par de estrelas central pode ser a chave para a sobrevivência do planeta.


Detector de exoplanetas SPHERE

A descoberta foi possível graças ao instrumento SPHERE, instalado no telescópio VLT que tem o Observatório Europeu do Sul (ESO) no deserto do Atacama chileno.



SPHERE já havia obtido imagens de vários exoplanetas orbitando estrelas diferentes do Sol, porém mas não foi o primeiro instrumento a criar a imagem b Centauri b. A equipe descobriu que já tinham sido obtidos dados de b Centauri b há mais de 20 anos com o ESO 3.6m Telescope , embora não tenha sido identificado como planeta na época.



Os autores esperam que o futuro Extremely Large Telescope (ELT) do ESO, que começará suas observações no final desta década, ofereça novos dados sobre este e muitos outros exoplanetas.