• Paulo Vitor

Nuvem de gafanhotos invadem províncias da África do Sul

Enxames de gafanhotos se espalharam pelo país, em especial pela região do Karoo, uma área semiárida/desértica. Segundo os moradores, o enxame tem "proporções bíblicas". Como eles surgem e qual espécie está causando esses transtornos? Como a Geografia ajuda na compreensão dessa infestação?


nuvem de gafanhoto
Avião sendo usado no combate a praga de gafanhotos no leste da África

Áreas das províncias (Província equivale a um estado no Brasil) de Northern Cape, Western Cape e Eastern Cape Karoo foram invadidas por "nuvens" de gafanhotos nos últimos dias. Segundo os órgãos locais de monitoramento, essa nuvem de gafanhotos é uma das maiores dos últimos anos, o que lhe deu o status de "proporções bíblicas".



Essas nuvens de gafanhotos estão longes de apenas apresentar certa sensação de medo ou desconforto. O ataque desses insetos acaba por destruir plantações inteiras, causando sérios riscos a produção de alimentos, destroem de pastagens que acaba diminuindo ou cessando a oferta de alimentos para os animais e assim também prejudicando a economia local.


Os agricultores estão trabalhando para evitar percas maiores, visto que já foram registrados prejuízos associados a este ataque dos gafanhotos. O governo local também está atuando no combate a praga. Após se estabelecer em um determinado local, os gafanhotos consomem os recursos necessários para sua sobrevivência e após isso voam para outros locais. A área ocupada pelos gafanhotos é de cerca de 5.000 hectares.


Para o combate da praga, estão sendo usados helicópteros para pulverizar os enxames e os agricultores estão com dificuldades para obter o veneno para a pulverização. Mas, nem todos agricultores possuem tal maquinário, a exemplo de aviões. A forma de combate usadas pelos pequenos produtores para o combate da praga permanece uma incógnita. Existe o temor de que essa nuvem de gafanhotos voe para as áreas com produção irrigada de milho e girassol.



Nas imagens é possível ter dimensão dos estragos causados pelos gafanhotos, em especial nas áreas rurais.


Como surgem esses enxames de gafanhotos? Os enxames estão relacionados ao ciclo reprodutivo e a biogeografia do Locustana pardalina, o Gafanhoto Marrom. As fêmeas põem os ovos no solo e esses ovos podem permanecer fecundos e dormentes por 1 a 2 anos. E as fêmeas também possuem o hábito de pôr ovos por sucessivos anos, aumentando assim a chance de reprodução. Após a ocorrências de chuvas (Que não precisam ser abundantes) sobre os ovos, ocorre o nascimento dos filhotes e assim o surgimento de diversos gafanhotos em um curto espaço de tempo.



A região afetada passou por uma forte seca nos últimos 8 anos, mas, recentemente a La Nina ativa está sendo relacionada a ocorrência de chuvas acima da média no verão sul-africano. Com isso, os ovos acumulados nos últimos anos proporcionaram a explosão do número de gafanhotos. Há pesquisas que indicam uma relação entre El Nino e La Nina e a ocorrência dessas nuvens de gafanhotos para a área:

O El Nino está relacionado a secas na região. Já a La Nina está relacionada a chuvas. Assim, a combinação de um evento de seca proporcionada por um El Nino sendo seguida por chuvas proporcionadas por La Nina pode fornecer um ambiente extremamente propício ao desenvolvimento dessas nuvens de gafanhotos.

Assim, durante um El Nino, os ovos seriam armazenados e durante a La Nina os ovos eclodiriam em novos gafanhotos.

Os ENOS podem relacionados a ocorrência das nuvens de gafanhotos na África do Sul. A esquerda, a fase positiva do ENOS, o El Nino, a direita, a fase negativa do ENOS, a La Nina.

Se encontrados ainda jovens, os gafanhotos podem ser eliminados mais facilmente em relação aos gafanhotos adultos. E infelizmente, a pulverização destes venenos também é prejudicial a fauna e flora, prejudicando assim todo o ecossistema local. Existem estudos em andamento para encontrar materiais que destruam esses gafanhotos sem danificar o ecossistema.



Durante toda história da humanidade houveram registros de nuvens de gafanhotos e prejuízo. Mas, não é preciso recorrer a fontes antigas para encontrar casos de ataques de gafanhotos. Em 2020 e 2021 uma nuvem de gafanhotos atingiu o Paraguai e Argentina.