• Gabriela Bittencourt

O Ozônio pode estar aquecendo o planeta?

Novas pesquisas revelam que o ozônio na baixa atmosfera, em particular, contribuiu para o aquecimento no Oceano Antártico – que absorve grande parte do excesso de calor do planeta – mais do que se pensava anteriormente. O estudo mostra que o ozônio é mais do que apenas um poluente, mas também pode estar desempenhando um papel significativo nas mudanças climáticas.


Ozônio na troposfera
Imagem de poluição urbana.

O ozônio pode estar enfraquecendo um dos mecanismos de resfriamento mais importantes da Terra, tornando-o um gás de efeito estufa mais significativo do que se pensava anteriormente, segundo pesquisas.


Um novo estudo revelou que as mudanças nos níveis de ozônio na atmosfera superior e inferior foram responsáveis por quase um terço do aquecimento observado nas águas oceânicas que fazem fronteira com a Antártica na segunda metade do século 20.



O aquecimento profundo e rápido no Oceano Antártico afeta uma das principais regiões para absorver o excesso de calor à medida que o planeta aquece. A maior parte deste aquecimento foi o resultado de aumentos de ozônio na baixa atmosfera. O ozônio - um dos principais componentes da poluição atmosférica - já é perigoso como poluente, mas a pesquisa mostra que também pode desempenhar um papel significativo na condução das mudanças climáticas nos próximos anos.


Michaela Hegglin, professora associada de química atmosférica e uma das autoras do estudo, disse: "O ozônio próximo à superfície da Terra é prejudicial às pessoas e ao meio ambiente, mas este estudo revela que também tem um grande impacto na capacidade do oceano de absorver o excesso calor da atmosfera.

Essas descobertas são um alerta e reforçam a importância de regular a poluição do ar para evitar o aumento dos níveis de ozônio e as temperaturas globais subindo ainda mais.


poluição atmosférica
Poluição urbana em Xangai.

A nova pesquisa, liderada por cientistas da Universidade da Califórnia Riverside, foi publicada na Nature Climate Change. A equipe usou modelos numéricos para simular mudanças nos níveis de ozônio na atmosfera superior e inferior entre os anos de 1955 e 2000, isolando-os de outras influências e aumentando a compreensão atual de seu impacto na absorção de calor do Oceano Antártico.


Essas simulações mostraram que uma diminuição do ozônio na atmosfera superior e um aumento na atmosfera inferior contribuíram para o aquecimento observado nos 2 km superiores das águas oceânicas nas altas latitudes pelo aumento geral dos gases de efeito estufa.

Eles revelaram também que o aumento do ozônio na baixa atmosfera causou 60% do aquecimento geral induzido pelo ozônio observado no Oceano Antártico durante o período estudado - muito mais do que se pensava anteriormente. Esse resultado foi surpreendente porque os aumentos de ozônio troposférico são, principalmente, como uma forçante climática no hemisfério norte.


Esperança de soluções!


O ozônio chegou às manchetes na década de 1980, quando um buraco foi descoberto na camada de ozônio na alta atmosfera sobre o Pólo Sul, devido aos danos causados pelos clorofluorcarbonos (CFCs), um gás usado na indústria e produtos de consumo. A esperança de resolver esse problema está relacionada ao sucesso do Protocolo de Montreal na redução do uso dos CFC's, que mostra que é possível uma ação internacional para evitar danos ao planeta.



O ozônio é criado na atmosfera superior pela interação entre as moléculas de oxigênio e a radiação UV do sol. Em latitudes mais altas, a camada de ozônio é vital, pois filtra a radiação ultravioleta prejudicial à saúde humana, vegetal e animal a atingir a superfície da Terra. Essa descoberta levou ao Protocolo de Montreal, um acordo internacional para interromper a produção de CFCs. Já na baixa atmosfera, o ozônio se forma devido a reações químicas entre poluentes, como gases de escape de veículos e outras emissões.


Hegglin disse: "Sabemos há algum tempo que o esgotamento do ozônio na alta atmosfera afetou o clima da superfície no Hemisfério Sul. Nossa pesquisa mostrou que o ozônio aumenta na baixa atmosfera devido à poluição do ar, que ocorre principalmente no Hemisfério Norte e 'vazamentos' para o Hemisfério Sul, também são um problema sério no futuro".