• Raquel Pereira

A Lua tem cheiro: o que você não sabia sobre a missão Apollo 11!

A Lua tem cheiro! Não tem ar, mas tem cheiro. Os astronautas da Apollo que pousaram na Lua trouxeram muita poeira lunar de volta ao módulo lunar. Como era essa poeira, como era seu cheiro e o que ela poderia causar?


Neil Armstrong
Este conjunto de visor extraveicular lunar, fotografado por Cade Martin no Udvar-Hazy Center do Museu Nacional do Ar e do Espaço, foi usado por Neil Armstrong na Lua em julho de 1969. Os visores do capacete de Armstrong foram projetados para proteger contra perigos, de micrometeoróides à luz infravermelha.

A poeira era cinza, granulada e extremamente pegajosa e quando os astronautas desabotoaram seus capacetes, Neil Armstrong disse:


“Nós estávamos cientes de um novo cheiro no ar da cabine que veio claramente de todo o material lunar que se acumulou em nossas roupas.” Para ele, era “o cheiro de cinzas molhadas”. Para seu colega de tripulação da Apollo 11, Buzz Aldrin, era “o cheiro no ar depois que um foguete explodiu”.

Todos os astronautas que caminharam na Lua notaram isso, e muitos comentaram sobre com o Controle da Missão. Harrison Schmitt, o geólogo que voou na Apollo, disse: “Parece que alguém está disparando uma carabina aqui”.


---- Continua após a publicidade ----

----


Quase inexplicavelmente, ninguém havia avisado o piloto do módulo lunar Jim Irwin sobre a poeira. Quando ele tirou o capacete dentro da cabine do módulo lunar, ele disse: “Tem um cheiro estranho aqui”. Seu colega de tripulação, Dave Scott, disse: “Sim, acho que é o cheiro de sujeira lunar. Nunca cheiramos a sujeira lunar antes, mas temos a maior parte aqui conosco.”



A poeira lunar era um mistério sobre o qual a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço havia, de fato, pensado. O astrofísico da Universidade de Cornell, Thomas Gold, alertou a NASA que a poeira havia sido isolada do oxigênio por tanto tempo que poderia ser altamente reativa quimicamente.


Lua
Buzz Aldrin desce a escada para começar seu moonwalk nesta série de fotos capturadas por Neil Armstrong. Fonte: NASA

Se muita poeira fosse transportada para dentro da cabine do módulo lunar, no momento em que os astronautas a repressurizarem com ar e a poeira entrasse em contato com o oxigênio, ela poderia começar a queimar ou até causar uma explosão. Gold, que previu corretamente desde o início que a superfície da Lua estaria coberta de poeira pulverulenta, também havia alertado a NASA que a poeira poderia ser tão profunda que o módulo lunar e os próprios astronautas poderiam afundar irremediavelmente nela.


Entre as milhares de coisas que eles estavam mantendo em mente enquanto voavam para a Lua, Armstrong e Aldrin foram informados sobre a possibilidade muito pequena de que a poeira lunar pudesse inflamar.


“Uma queima de fogos de artifício na Lua no final de julho não era algo aconselhável”, disse Aldrin.

Armstrong e Aldrin fizeram seu próprio teste. Apenas um momento depois de se tornar o primeiro ser humano a pisar na Lua, Armstrong colocou um pouco de sujeira lunar em um saco de amostras e colocou-o no bolso de seu traje espacial.



De volta ao módulo lunar, a dupla abriu a bolsa e espalhou o solo lunar em cima do motor de ascensão. Enquanto repressurizavam a cabine, observavam para ver se a sujeira começava a arder. “Se isso acontecesse, pararíamos a pressurização, abriríamos a escotilha e a jogaríamos fora”, explicou Aldrin. "Mas nada aconteceu."


Lua
Armstrong coletou o fragmento de basalto de grão fino retratado à esquerda. As rochas lunares foram armazenadas a bordo em recipientes a vácuo de aço inoxidável (NASA). À direita, Buzz Aldrin e Neil Armstrong participam de uma simulação de implantação e uso de ferramentas lunares na superfície da Lua durante um exercício de treinamento em abril de 1969. Aldrin (esquerda) usa colher e pinças para pegar uma amostra enquanto Armstrong segura uma bolsa para receber a amostra na frente de uma maquete do Módulo Lunar. Ambos estão usando Unidades de Mobilidade Extraveicular.

A poeira lunar revelou-se tão grudenta e irritante que, na única noite em que Armstrong e Aldrin passaram no módulo lunar na superfície da Lua, eles dormiram com seus capacetes e luvas, em parte para evitar respirar a poeira que flutuava ao redor dentro da cabine.



Quando as rochas e a poeira da Lua voltaram à Terra, o odor havia desaparecido das amostras, expostas ao ar e à umidade em suas caixas de armazenamento. Ninguém descobriu o que causou o odor, ou por que era tão parecido com pólvora gasta, que quimicamente não é nada parecido com a rocha lunar. “Cheiro muito distinto”, disse o comandante, Pete Conrad. "Nunca esquecerei. E nunca mais senti o cheiro desde então.”