• Paulo Vitor

Os Distúrbios Ondulatórios de Leste no Nordeste

Atualizado: 28 de mai.

Os Distúrbios Ondulatórios de Leste ou Ondas de Leste são perturbações que se propagam pelo Oceano Atlântico de leste a oeste até atingirem a costa do Nordeste. Os DOLs têm grande importância na modulação do regime de chuvas do leste do Nordeste durante a estação chuvosa.


DOL OL NEB
No início da Copa do Mundo de 2014 em Natal uma das cidades-sede da Copa foi castigada por chuvas volumosas causadas pela atuação de um DOL. As chuvas em 48 horas totalizaram mais de 320 mm e causou alagamentos e movimentos de massa. Fonte: Editado, DSA CPTEC. Imagem GOES 13 + METEOSAT 10 para 12 de junho de 2014 as 14:30 UTC.

Os Distúrbios Ondulatórios de Leste são perturbações tropicais que se movem de maneira lenta de leste a oeste. Eles surgem no oceano Atlântico próximo a costa da África e avançam por milhares de quilômetros até atingirem o litoral nordestino. Essas perturbações ocorrem entre 850 e 700 hPa, nos baixos e médios níveis da troposfera.



Para sua identificação em centros operacionais do tempo, deve se observar a ocorrência de nebulosidade com expressivo desenvolvimento vertical no Oceano Atlântico se movendo lentamente para a costa e a existência de um cavado nos níveis de 700 hPa. Os DOLs não são de ocorrência restrita ao Brasil, ocorrendo na África, no qual são os principais moduladores das chuvas no leste do continente africano, na zona equatorial da América Central, América do Norte e no leste do Nordeste.

Na África, alguns DOLs ao atingir o oceano podem evoluir sinoticamente para um furacão, desde que se satisfaçam as condições termodinâmicas.

DOL ONDA DE LESTE
Mapa com a ocorrência global dos DOLs. Observe que eles ocorrem em quase toda faixa tropical do globo.

No Nordeste, os DOLs ocorrem nos meses de outono e inverno, preferencialmente entre abril e agosto e eles são de extrema importância para o regime de precipitação na faixa leste da região. Vale ressaltar que o máximo de chuvas no leste do Nordeste ocorre durante os meses de outono e inverno, os meses de ocorrência dos DOLs.


As capitais Fortaleza, Natal, João Pessoa, Recife, Maceió, Aracaju e Salvador e suas respectivas cidades conurbadas/regiões metropolitanas são as principais cidades de atingidas pelos DOLs no Nordeste. Os DOLs estão ligados inclusive a eventos extremos de precipitação na região e costumam causar alagamentos, enchentes, movimentos de massa, prejuízos a economia de maneira geral e, infelizmente, eventualmente algumas mortes causadas por consequências das chuvas intensas.


Alagamentos Recife
Alagamento na cidade do Recife causado pela atuação de um DOL em 13 de maio de 2021. Na ocasião em 48 horas choveu 188 mm.

Os DOLs pelo seu lento deslocamento acabam atingindo o Nordeste dias após sua formação. Alguns DOLs não apresentam a nebulosidade característica que pode ser facilmente identificada nos satélites meteorológicos. Esses "tipos" de DOLs viajam se alimentando do calor e da umidade fornecidas pelo Oceano Atlântico e ao chegarem na costa do Nordeste a sua nebulosidade aparece de forma "explosiva".



As anomalias de temperaturas do oceano Atlântico sejam elas quentes ou frias podem fortalecer ou não os distúrbios. Assim, em anos com anomalias quentes de temperatura de superfície do mar, os DOLs são apresentam mais disponibilidade de energia para sua ocorrência.


Os DOLs e as enchentes em Alagoas e Pernambuco em junho de 2010


Em junho de 2010 estava ativa o fenômeno da La Niña e este fenômeno está associado ao aumento de chuvas no Nordeste. Atrelado a isso, no outro lado da América do Sul, no Oceano Atlântico Sul uma anomalia quente de temperatura da superfície do mar estava ocorrendo.



Esses fatores foram responsáveis por inundações catastróficas em mais de 30 municípios em Alagoas e Pernambuco, que além de muita destruição, causou a morte de 44 pessoas. A passagem de um Distúrbio Ondulatório de Leste foi o estopim para as enxurradas e inundações, já que antes do DOL já havia chovido muito nestas áreas.


CHUVAS ALAGOAS JUNHO 2010
Destruição causada pelas enchentes na cidade de União dos Palmares após a passagem do DOL em junho de 2010. Na ocasião as chuvas intensas proporcionarem um cenário de guerra em Alagoas e Pernambuco.