• Gabriela Bittencourt

Onda de frio e os estragos da geada para a agricultura

Nos últimos dias, uma onda de frio derrubou as temperaturas em boa parte do Brasil, dando uma cara de inverno para os últimos dias do outono. Com o frio intenso, as geadas se espalharam pelos campos.


Geada em Ponta Grossa/PR
Geada no Lago de Olarias, em Ponta Grossa. Crédito: Carla Yarin/RPC

A tempestade subtropical Yakecan que atuou no Brasil no início da semana ajudou a impulsionar a massa de ar polar para regiões do centro-oeste, sudeste, norte com o fenômeno "friagem", além da região Sul.



A massa de ar polar provocou a ocorrência de neve, chuva congelada e também de geadas em vários pontos do Sul, Sudeste e algumas áreas do Mato Grosso do Sul. A região de Itapetininga (SP), na última sexta-feira (20), registrou 0,9ºC nos termômetros, a mais baixa do ano, e camadas de gelo se formaram em carros e gramados.



No Distrito Federal, a estação do INMET registrou na quinta-feira (19) temperatura mínima 1,4°C e foi a temperatura mais baixa já medida na capital do Brasil. Quanto à geada, é a primeira ocorrência desde 1985.


geada
Registro de geada em plantação de São Miguel Arcanjo (SP). Crédito: Samuel Acácio/Roberto Cardoso.

Como se forma a geada?


A geada é o processo através dos quais cristais de gelo se depositam sobre uma superfície exposta devido a queda da temperatura em superfície até a temperatura do ponto de orvalho. Com isso ocorre a condensação do vapor d’água sobre a superfície e em seguida seu congelamento (sendo esta passagem muito rápida).


Meteorologicamente, define-se a ocorrência de geada quando há deposição de gelo sobre plantas e objetos expostos ao relento. Nesses casos, a temperatura atinge valores abaixo de 0°C e tem bastante umidade na atmosfera. Isso gera um cenário de cobertura de gelo nos campos que favorece o turismo, principalmente em áreas frias, devido a beleza do fenômeno. Porém, a geada não proporciona apenas imagens bonitas, ela pode causar estragos sem precedentes com relação à agricultura e ao cultivo de plantas.



Na Agronomia, a geada resulta em um fenômeno atmosférico que provoca a morte das plantas ou de suas partes, em função da baixa temperatura do ar que causa o congelamento dos tecidos vegetais, havendo ou não formação de gelo sobre as plantas. No entanto, mesmo com formação de gelo sobre as plantas, pode não haver morte dos tecidos vegetais, pois algumas espécies entram em repouso vegetativo.



Na cidade de Guarapuava (PR), o agricultor Paulo Dutra que produz hortaliças, e que são vendidas para grandes mercados da região, evita os prejuízos da geada cobrindo as plantações com lona. Porém, mesmo assim, algumas plantas congelaram e trouxeram prejuízos.


As couves, brócolis e couve-flor, não consegui cobrir, não deu tempo. A partir do momento em que cai a geada, não tem comercialização. O prejuízo do que eu não consegui cobrir é de 30% da plantação, contou o agricultor Paulo.

geada no Brasil
Geada prejudica plantação de hortaliças, em Guarapuava. Crédito: William Batista/RPC

Os prejuízos são imensos, e muito dos produtos morrem e perdem sua qualidade com a ocorrência de geada. No ano passado, a geada que se formou em Julho de 2021 durante uma intensa onda de frio que atingiu o país, causou um prejuízo de mais de 80% da produção em Itatinga (SP).


“No ano passado fomos surpreendidos e perdemos tudo com a geada, tivemos que recomeçar, então a nossa preocupação é muito grande", disse a agricultora Fernanda Quadrado, da região de Botucatu (SP).