• Paulo Vitor

E se uma bomba atômica explodisse em São Paulo, quais as consequências?

Com a guerra entre Rússia e Ucrânia as pessoas se perguntam sobre a possibilidade do uso de armas nucleares no conflito. Apesar da possibilidade remota, o que aconteceria se uma bomba atômica explodisse na cidade de São Paulo?

bomba atômica são paulo
Imagem da explosão de uma bomba atômica e o famoso ''cogumelo nuclear"

Com o aumento da violência no conflito que envolve diretamente Rússia e Ucrânia e de maneira indireta boa parte dos países - sejam afetados pelas consequências econômicas ou no envio de armamentos, as pessoas começaram debates nas redes sociais sobre a possibilidade (até então remota) do uso pela Rússia ou Ucrânia das temidas bombas atômicas no conflito.



A primeira e última vez que esses armamentos foram usados foi em 1945 durante a 2° Guerra Mundial. Os Estados Unidos lançaram sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki 2 bombas atômicas denominadas Little Boy e Fat Man (Garotinho e Homem Gordo em português) que matou cerca de 210 mil pessoas ao final de 1945. Esse evento também marcou a rendição do Japão e o fim da 2° Guerra Mundial.

Hiroshima ataque nuclear
Parece cena de filme, mas não é: A fotografia foi tirada em Hiroshima após o lançamento da bomba atômica na cidade. Estima-se que 90% da cidade foi reduzida a escombros após a explosão.

Possibilidade remota sim, mas, descartada? não! Mas, você já imaginou se por algum motivo a nossa maior e principal cidade fosse atacada com um armamento desse porte? Vejamos então as (catastróficas) possibilidades. Bem, é uma pergunta extremamente complexa de se responder, pois existem diversas variáveis que podem potencializar ou reduzir as mortes e danos. Por exemplo, se fosse explodida no céu ou no solo e a potência do armamento. Explosões a uma curta distância do solo potencializam as bombas, mas explosões no solo geram crateras gigantescas.



Se uma bomba com 1 megaton de potência (corresponde a uma bomba 70 vezes mais potente que a lançada em Hiroshima) fosse lançada no solo sobre a Praça da Sé, uma cratera de 300 metros de diâmetro e 60 metros de profundidade seria aberta. E em todo epicentro da explosão não sobrariam construções em pé nem pessoas com vida.


Do epicentro, ou seja, da área que a bomba foi lançada até um raio de 3,3 km a explosão, os fortes ventos e as temperaturas extremamente altas causadas pela explosão reduziriam tudo a escombros e pessoas seriam vaporizadas em segundos. Quem estivesse nesse local apenas veria um brilho no céu e mais nada. O Teatro Municipal, o Pátio do Colégio, o prédio da Prefeitura, e partes da Av. Paulista seriam todos destruídos e as pessoas mortas em segundos.


Avenida Paulista
Parte da Av. Paulista mais próxima da Praça da Sé seria reduzida a escombros e não haveriam sobreviventes de uma das avenidas mais famosas do Brasil e cartão postal de São Paulo.

Mas, na medida em que fosse se afastando do epicentro da explosão, os danos seriam menos caóticos, mas não menos trágicos e mortais. O número de mortes e destruição reduziria em um raio de 6,9 km da explosão, mas ainda seriam extremamente altos. Essa área apresentaria muitas pessoas com queimaduras graves e sequelas que as matariam meses depois. Em um raio de 15,2 km os danos seriam bem menores e as mortes também, mas, com prováveis muitos feridos.


Esses efeitos são considerando uma bomba atômica de 1 megaton. A bomba mais potente já testada é a Bomba Tsar, uma bomba de hidrogênio que foi feita pelos russos, com incríveis 58 megatons, ou 58 milhões de toneladas de TNT, 3.125 vezes mais forte que a bomba lançada sobre Hiroshima, vidros de janelas foram quebrados a 800 km de distância da detonação, e o cogumelo radioativo alcançou incríveis 67 km de altura. Se lançada sobre São Paulo, certamente toda ou quase toda capital seria destruída, além de grande destruição na Grande São Paulo, cidades próximas da região metropolitana e também Baixada Santista, somando milhões de mortos em segundos.


bomba tsar bomba hiroshima
Se comparadas a poderosa bomba atômica Tsar as bombas lançadas no Japão são extremamente "fracas".

Além dos efeitos sobre as pessoas e a cidade, os rios seriam mortos, os animais, a vegetação e também o solo seria extremamente prejudicado. É claro que economia do Brasil seria extremamente prejudicada pois São Paulo é o principal centro econômico do país.


Quer simular os efeitos de uma bomba atômica sobre sua cidade? Caso sim, basta acessar: https://nuclearsecrecy.com/nukemap/