• Gabriela Bittencourt

Previsão do tempo para a segunda quinzena de Julho/2022

Os próximos quinze dias serão marcados por muita umidade e chuva nos extremos do país, principalmente no Sul, e por tardes quentes na porção centro-leste do país. Confira a previsão completa para a segunda metade de Julho/2022.

precipitação GFS
Modelo GFS com precipitação total acumulada (mm), rodada das 00 UTC do dia 14/07/2022 válida até dia 20/07/2022 às 00 UTC.

A formação de uma nova frente fria acoplada a um ciclone extratropical vai trazer muita chuva para a região Sul do Brasil nos próximos dias. Esse novo sistema começou a avançar pela fronteira com o Uruguai e deve avançar por todo o estado do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina nos próximos dias.



Os modelos numéricos apresentam uma condição para atenção da população, pois as chances para grandes acumulados de chuva são altas no Sul. Não se descarta a possibilidade de ocorrência de ventos fortes, temporais e até queda de granizo em alguns pontos.


GFS
Modelo GFS com pressão a nível médio do mar (em mb) e velocidade do vento à 10 metros(em nós)

O frio deve retornar no domingo (17) quando uma massa de ar fria e seca avança pelo solo gaúcho garantindo além do frio o retorno do sol pelas regiões do Sul do Brasil e de Santa Catarina. Para a próxima segunda-feira (18) há possibilidade de gear em cidades da campanha gaúcha, e em pontos altos das regiões serranas.



Áreas do Centro-Oeste, Sudeste e parte do interior do Nordeste devem seguir com muito calor e tempo seco nos próximos dias. A frente fria que avança neste fim de semana não deve influenciar uma grande área do país, apenas o interior do Mato Grosso do Sul e de São Paulo devem ter temperaturas mais amenas, mas de forma geral o calor volta no decorrer da próxima semana.


Temperatura do ar com GFS
Gif com temperatura do ar em 2 metros. Rodada do modelo GFS iniciada às 00 UTC do dia 14/07/2022, válida até dia 21/07/2022 às 18 UTC.

La Niña, Oscilação Madden-Julian e Oscilação Antártica, como ficam nessa próxima quinzena?


A La Niña deve seguir com temperaturas da superfície do mar, sobre o Pacífico Equatorial, mais fria em relação à média, configurando para os próximos dias que o fenômeno siga influenciando o regime de chuvas, principalmente na parte Norte do Brasil. De acordo com as previsões dos modelos estatísticos (IRI/CPC) o fenômeno apresenta 52% de chance de que a La Niña mantenha-se ativa no próximo trimestre (Julho-Agosto-Setembro).


Teleconexões
Modelos de previsão para a segunda quinzena de Julho. OMJ, anomalia sazonal da TSM (La Niña) e previsão AAO.

A oscilação Madden-Julian está na fase 1 mas em um período inativo da oscilação. Essa fase favorece anomalias positivas de chuva na parte norte do Brasil, de acordo com o mapa acima. Nos próximos dias da segunda quinzena de Julho, de acordo com a previsão a OMJ deve permanecer mais inativa da oscilação, passando para as fases 7 e 8 até o fim do mês de Julho.


Chuva CPC
Mapa com acumulado total de chuva dos últimos 30 dias. Fonte: CPC.

Os maiores acumulados de chuva foram observados no Norte, leste do Nordeste devido às chuvas causada pelos sistemas ondulatórios de leste que favoreceram maiores acumulados, e no Sul do Brasil.


A oscilação Antártica nestes próximos 15 dias deve seguir para uma fase negativa, de acordo com os modelos. Essa fase negativa da AAO favorece o avanço de sistemas frontais mais intensos e frequentes para a América do Sul.



Como ficam as chuvas para essa segunda quinzena de Julho/2022 no Brasil?


Com La Niña ativa, e Oscilação Antártica predominando na sua fase negativa as chuvas devem seguir concentradas nos extremos do Brasil, como regiões do Norte, Nordeste e no Sul do país.



A parte central do Brasil, incluindo regiões do Centro-Oeste, Sudeste e interior do Nordeste permanecem com o tempo estável nessa próxima quinzena. Sem a passagem e avanço de frentes frias até essas regiões as temperaturas devem ser altas durante esses próximos dias, chegando aos 40ºC no interior do Centro-Oeste por exemplo.


Os acumulados de chuva nos extremos do país se concentram principalmente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e sul do Paraná. Cidades do norte do Amazonas, Roraima, Amapá e Acre também devem ter grandes acumulados de precipitação nos próximos dias.