• Davi Moura

Recorde Mundial: Raio com 768km de extensão é registrado nos EUA

Atualizado: 15 de mar.

Outro recorde também foi registrado: um raio com duração de 17 segundos. Recorde anterior era havia sido registrado no Brasil.


raio mais longo
Imagem de satélite fornecida Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) mostra um complexo de tempestades que contém o mais longo raio do planeta Terra. O fenômeno se estendeu por uma distância horizontal de 768 km, em partes do sul dos Estados Unidos, em 29 de abril de 2020.

Os relâmpagos mais longos do mundo – tanto em termos de distância percorrida quanto de duração – foram medidos do espaço e confirmados pela Organização Meteorológica Mundial (OMM).




Um dos flashes ocorreu no sul dos EUA em abril de 2020 e teve uma extensão de cerca de 768 quilômetros, ou a distância de Londres a Hamburgo na Alemanha, que é 60 quilômetros maior que o recorde anterior estabelecido no Brasil em 2018. O segundo flash foi medido em junho de 2020. Ele atravessou a fronteira Uruguai-Argentina e durou 17 segundos, mais do que qualquer outro flash já detectado.


“Agora temos uma prova clara de que eventos de raios únicos podem durar 17 segundos”, diz Randall Cerveny, da Arizona State University.

Esse tipo de registro é importante para os cientistas porque melhora nossa compreensão da dinâmica dos raios: como, onde e, mais importante, por que os raios ocorrem da maneira que acontecem.




Os flashes foram vistos em "hotspots" de trovoadas, nas Grandes Planícies da América do Norte e na bacia do Rio da Prata na América do Sul, respectivamente. A geografia das áreas as torna propensas a sistemas convectivos relativamente grandes, que podem fazer com que tempestades individuais se combinem em sistemas climáticos maciços que desencadeiam raios extremos.


raio recorde
Infográfico dos recordes de raio mais longo e raio mais duradouro. Adaptado da Organização Mundial de Meteorologia.

O raio que atingiu o sul dos EUA teria sido difícil de medir com equipamentos convencionais baseados em terra, então os meteorologistas recorreram a "mapeadores" de raios em satélites geoestacionários, que têm um campo de visão muito mais amplo.


“Temos esse tipo de equipamento de detecção e mapeamento de raios em órbita há apenas alguns anos e, por meio dele, estamos aprendendo muito mais sobre mega-flashes”, diz Cerveny.

Embora os flashes tenham sido detectados em 2020, só agora a OMM certificou os eventos como tendo a maior distância e a maior duração registradas. De acordo com Graeme Marlton, da Universidade de Reading, no Reino Unido, houve um longo processo de verificação dupla de instrumentos, observações cruzadas e verificação de um painel de especialistas antes que os eventos pudessem ser registrados como relâmpagos recordes mundiais.





Com os dois flashes ocorrendo em 2020, pode parecer indicar que os raios estão se tornando mais extremos, mas pode ser simplesmente que os recursos de imagem aprimorados permitiram que ambos os registros fossem quebrados tão recentemente. “Apenas depois de vários anos desses eventos extremos serem registrados, poderemos avaliar se eles estão se tornando mais comuns”, diz Marlton. No entanto, as mudanças climáticas parecem estar aumentando a frequência de raios em toda a Terra.





Embora os relâmpagos medidos não tenham feito contato com o solo, a extensão e duração ainda são um lembrete importante de quão longe um raio pode atingir sua região de origem, diz Cerveny. Sempre que você ouvir um trovão, diz Cerveny, você deve encontrar um local seguro, como um prédio grande ou um veículo com tampo de metal totalmente fechado.